Muitos assuntos têm martelado no meu coração. Tenho pensado e refletido sobre muitas coisas. E uma dessas coisas é a respeito de LIMITES. Qual é o meu limite e o limite do outro? Parece algo simples, mas não é.

Eu fui uma criança sem limites, uma adolescente sem limites e quase uma adulta sem limites. Aprendi na marra o que é respeitar e ser respeitada e, confesso, ainda tenho aprendido. Mas sabe? Nós ultrapassamos os limites do outro, às vezes, em mínimas coisas: quando exigimos um tempo, quando cobramos um convite, quando perguntamos algo, quando pedimos o que não deveríamos.

Tenho vários exemplos. Vou contar um que é ficção, mas bem parecido com um real. Uma amiga está se separando do marido. Eu percebi a situação, porém NÃO PERGUNTEI. Por quê? Porque se tivesse perguntado estaria “obrigando-a” a contar algo que ela não queria contar naquele momento. Isso não é preocupação, é ABUSO. Preocupação você pode mostrar de outra forma, carinho você pode mostrar de outra forma. Esse é um exemplo simples e, talvez, um pouco radical. Mas tenho aprendido que eu só devo saber o que a pessoa QUER me contar, eu só devo ir até onde a pessoa DEIXA eu ir. Ninguém é obrigado a falar com você, a ser sua amiga ou, até mesmo, a te amar. E não temos o direito de cobrar essas coisas. Tudo isso é conquistado, é alcançado, é um caminho a percorrer e não uma exigência a fazer.

Uma amiga está grávida, porque as pessoas têm que perguntar isso para mim, me obrigando a ser “indelicada” ao não responder, se a própria pessoa não quis contar?

Posso estar sendo radical, mas acho que toda cobrança ultrapassa os limites do outro, pois se você está cobrando é porque ele não te deu, se ele não te deu é porque não quis dar. Simples. Conquiste, não exija!

Eu aprendi isso debaixo de muita mágoa, muitas lágrimas, muita tristeza. Mas, aprendi. E sou feliz, porque me policio a amar, só por amar e não para ser amado. A dar por amor e não com intenções de troca. A viver plantando, tendo a consciência de que a colheita pode não vir daquela terra, mas virá, com certeza, virá.

Tenho me irritado com a ausência de limites das pessoas. Quem pode cobrar, sabe que pode, simplesmente, por causa da relação estabelecida ao longo dos anos. O abuso se dá quando a cobrança é usada para criar uma relação e uma consideração que não existe.

Precisamos repensar as nossas atitudes, porque nos magoamos com os outros com a idéia que de estamos certos, mas, na verdade, ninguém nos deve nada e ninguém é obrigado a nada. Cada um dê conta de si mesmo. Não cuide do outro, cuide de você.